Uma vez eu li que amor é igual arte: “só vive se for livre”.

A arte flui, não tem limites nem barreiras. A inspiração aparece quando menos se espera. A arte não pode ser trancada, pelo contrário, ela liberta o artista.  Ela tira a confusão da mente, traz clareza ao coração. É única, nunca igual, somente sua e da tela, da música, da dança, da escrita.

Acho que o amor é exatamente assim. Flui naturalmente, sem forçar nem preparar nada. Todo discurso ensaiado na frente do espelho some pessoalmente.

No amor, não existe limites nem barreiras. Ele abre corações orgulhosos, cura os feridos, transforma a rotina e a mente, faz aparecer a ideia de “para sempre” novamente.

O frio na barriga surge do nada, o coração dispara, você começa a sorrir. Quando menos se espera, está com a mão tremendo porque vai encontrar o motivo que causa esse “auê” no seu corpo.

O amor liberta quem ama e quem é amado, faz você querer voar. Faz-te ir até nas nuvens, mesmo com os pés nos chão. O amor abre todas as portas e oferece novas chances de ser feliz.

O amor faz tudo novo, traz sensações nunca sentidas antes, é único e particular de dois. A cada troca de olhar, a alma transborda. A cada abraço, toda a bagunça se ajeita. A cada “eu te amo”, o mundo inteiro desaparece e a calmaria se instala. Tudo fica bem, porque você já não está mais sozinho.

Amar é libertar o lado mais bonito que você tem – assim como arte é libertar todos seus pensamentos e sentimentos. Arte é sensibilidade e compreensão, amor é sentir e entender.

Arte é amor – e amar é uma arte. Sorte mesmo de quem pode amar todos os dias alguém que te traz liberdade.

Texto por: Lauren da Rocha Scomparim.

FONTENo Asfalto
COMPARTILHAR
A Grande Arte De Ser Feliz

Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.


COMENTÁRIOS