Por Awebic

Na última década de vida, meu avô acordou todos os dias às 7 da manhã, pegou uma flor silvestre em sua caminhada matinal e levou para minha avó.

Certa manhã, decidi ir com ele para vê-la. E quando ele colocou a flor em sua lápide, olhou para mim e disse: “Eu queria ter colhido uma flor silvestres toda manhã quando ela estava viva. Ela realmente teria amado isso.”

Como você pode imaginar, as palavras de meu avô tocaram um nervo em mim. E com o passar dos anos eu sempre refleti sobre o que ele disse naquela manhã, e como seu sentimento se relaciona com todos e tudo que me interessa.

Se Deus quiser, quando eu estiver no auge dos meus 80 anos, não quero me sentar com arrependimentos.

Não quero desejar ter feito as coisas de maneira diferente – especialmente algo tão simples, mas significativo, como colher flores silvestres para amor da minha vida.

Você não concorda?

No final, mais do que qualquer outra coisa, lamentamos as pequenas chances que não tivemos, as relações inestimáveis que estávamos ocupados demais para cuidar e as boas decisões que esperamos muito tempo para tomar.

Eu aprendi isso através de uma vasta experiência.

Angel e eu passamos a última década treinando centenas de estudantes e clientes de todo o mundo, e os mesmos arrependimentos surgem implacavelmente nas histórias pessoais que as pessoas compartilham conosco.

Abaixo, vamos dar uma olhada em dez desses arrependimentos comuns e, em seguida, abordar alguns princípios e estratégias para evitá-los e superá-los.

1. Não passar tempo suficiente com as pessoas certas.

Em algum momento, você só vai querer estar perto das poucas pessoas que te fazem sorrir pelas razões certas.

Portanto, hoje, dedique mais tempo àqueles que o ajudam a amar a si mesmo mais – passe mais tempo com aqueles que fazem você se sentir bem e menos tempo com aqueles que você se sente pressionado a impressionar.

Nunca fique muito ocupado para dar espaço no seu dia para aqueles que mais importam. E lembre-se de que nada que você possa dar será mais apreciado do que sua atenção sincera e concentrada – sua presença plena.

Estar verdadeiramente com alguém e ouvir, sem um relógio e sem antecipação do próximo evento, é o maior elogio.

2. Não expressar seu amor abertamente e honestamente com aqueles que você ama.

Sem dúvida, você vai perder pessoas em sua vida.

Perceba que não importa quanto tempo você gasta com alguém, ou o quanto você gosta deles, às vezes nunca vai parecer que você teve tempo suficiente juntos.

Não aprenda esta lição da maneira mais difícil. Expresse seu amor! Diga às pessoas o que você precisa dizer a elas.

Não se afaste de conversas importantes porque se sente constrangido ou desconfortável. Você nunca sabe quando pode perder sua oportunidade.

É realmente possível dizer a alguém o que você sente? Sim, é.

As pessoas nem sempre entendem, porque, mesmo quando ouvem você, não conseguem sentir exatamente o que você sente por dentro. Mas você ainda precisa falar por sua própria paz de espírito.

Se você aprecia alguém hoje, diga a ele. Se você tem algo mais importante para dizer, diga. Corações são frequentemente confundidos e partidos por palavras não ditas.

3. Basear uma parte significativa de sua autoestima na opinião de outras pessoas sobre você.

Nós tendemos a esquecer que a maioria das pessoas nos julga com base em experiências de sua própria vida que não têm absolutamente nada a ver conosco.

Por exemplo, uma pessoa pode assumir coisas sobre você com base inteiramente em uma experiência passada problemática que teve com alguém que se parece um pouco com você.

Portanto, basear qualquer parte de sua autoestima naquilo que ela acha coloca você no limbo – você está literalmente à mercê de seu viés não confiável.

Se ela vê você sob luz certa e responde de uma maneira positiva e afirmativa, então você se sente bem consigo mesmo. Se não, você acha que fez algo errado.

O importante é que você nunca encontrará seu valor em outro ser humano – você o encontrará em si mesmo e então atrairá aqueles que são dignos de sua energia.

Enquanto isso, não exagerar ou levar as coisas para o lado pessoal manterá sua mente clara e seu coração em paz.

4. Estar ocupado demais impressionando os outros e esquecendo o que é importante para você.

Daqui a dez anos, não importa qual sapato você usou hoje, como era seu cabelo ou que tipo de roupa usou.

O que importará é como você viveu, como amou e o que aprendeu ao longo do caminho.

Então, esqueça de impressionar as pessoas por causa disso. Seja você mesmo! Se quer impressionar alguém, impressione a si mesmo progredindo em algo que você se orgulha sinceramente.

Concentre-se no que importa!

É realmente incrível o que você pode realizar em um dia em que você não está incessantemente preocupado com o que todo mundo está pensando e fazendo.

Apenas mostre a si mesmo que você pode crescer e melhorar. Nunca é sobre impressionar ou competir com os outros. No final, é só você contra você.

5. Deixar a incerteza paralisar você.

Confie em mim agora e me agradeça depois, aceite a incerteza! Porque alguns dos capítulos mais incríveis de sua vida não terão um título com o qual você se sinta confortável até muito mais tarde.

Viver é um negócio arriscado. Toda decisão, toda interação, cada passo, toda vez que você sai da cama pela manhã, você assume um risco pequeno e incerto.

Viver de verdade é saber que você está se levantando e assumindo esse risco e confiado em si mesmo para aceitá-lo.

Se você não o fizer – se deixar a incerteza vencer – nunca saberá nada com certeza, e de muitas maneiras esse desconhecimento será pior do que descobrir que seu palpite estava errado.

Porque se você estivesse errado, poderia fazer ajustes e continuar com sua vida sem nunca olhar para trás e se perguntar o que poderia ter sido. Lembre-se disso e encontre a coragem de que precisa!

Você não precisa de garantias 24 horas por dia, 7 dias por semana. Não é assim que a vida funciona. Na vida você pode estar confortável ou corajoso, mas não ambos ao mesmo tempo.

6. Se concentrar em falhas em vez de oportunidades.

Bem, é verdade, você fracassou e foi ferido no passado.

Mas também é verdade que você amou e foi amado. Que você arriscou e recebeu. Que você ficou não apenas mais velho, mas mais sábio. E tudo isso tem um peso próprio – um peso maior do que qualquer falha ou ferida específica.

Na verdade, é melhor ter uma vida cheia de pequenas feridas e fracassos que você aprendeu, do que uma vida cheia de arrependimentos de nunca ter tentado. Pense nisso!

Você já viu uma criança aprender a andar? Elas tropeçam e caem inúmeras vezes antes de conseguir. As quedas são oportunidades de aprendizado. Muitas vezes é preciso dor e paciência para progredir de maneira duradoura.

Então, não deixe o tempo passar por você como uma mão acenando de um trem que você quer desesperadamente estar. Não gaste o resto da sua vida pensando sobre por que você não fez o que pode fazer agora.

7. Segurando firme demais em todos os ideais e perdendo oportunidades reais.

Você não pode perder o que nunca teve, não pode manter o que não é seu, e não pode ficar com algo que não quer ficar. Mas você pode enlouquecer tentando.

O que você precisa perceber é que a maioria das coisas são parte da sua vida porque você continua pensando nelas. Pare de manter o que machuca e deixe espaço para o que parece certo!

Não deixe que o que está fora de seu controle interfira em todas as coisas que você pode controlar. Em outras palavras, diga “adeus” ao que não deu certo, para que você possa dizer “olá” ao que pode.

Na vida, os “adeus” são um presente. Quando certas pessoas se afastam de você e certas oportunidades fecham as portas, não há necessidade de segurá-las ou orar para mantê-las presentes em sua vida.

Se elas se fecharam, considere isso como uma indicação direta de que essas pessoas, circunstâncias e oportunidades não fazem parte do próximo capítulo de sua vida.

É um indício de que seu crescimento pessoal requer alguém diferente ou algo mais, e a vida é simplesmente abrir espaço.

8. Bancar a vítima por muito tempo.

Se você sempre se faz de vítima, sempre será tratado como uma. A vida não é justa, mas você não precisa deixar o passado definir seu futuro.

Lembra daquela vez que você pensou que não conseguiria superar? Você conseguiu e conseguirá de novo.

Não deixe que seus desafios tirem o melhor de você. Não deixe suas inseguranças intimidá-lo em um canto. Não seja sua própria vítima! Dê o próximo pequeno passo.

O maior de todos os erros é não fazer nada simplesmente porque você só pode fazer um pouco. E você SEMPRE pode fazer um pouco! Onde você está agora é necessário.

Às vezes evitamos experimentar exatamente onde estamos porque desenvolvemos uma crença, baseada em nossos ideais, de que não é onde deveríamos estar.

Mas a verdade é, onde você está agora é exatamente onde precisa estar para dar o próximo passo adiante.

9. Esperar, analisar em excesso e nunca tomar as providências necessárias.

Frequentemente, perdemos nosso tempo esperando que o caminho ideal apareça.

Mas isso nunca acontece, porque nos esquecemos de que os caminhos são feitos caminhando, sem esperar. Lembre-se disso!

É fácil ser preguiçoso e esperar. É fácil desperdiçar mais um dia. Mas você precisa fazer o contrário! Decida o que quer realizar e faça. A ação é o pior inimigo da preocupação. A ação é a melhor munição. A ação traz progresso!

Portanto, não confunda movimentos sem sentido com ação real.

Sempre que você se encontrar em um ponto de tomada de decisão intensa, onde você é pego em um ciclo de superanálise e hesitação, e você não estiver fazendo nenhum progresso, respire fundo, quebre o ciclo, faça uma suposição sobre o próximo passo lógico e siga em frente.

Mesmo se você errar, aprenderá algo útil que o ajudará a acertar. Um ritual diário de pequenos passos positivos é a chave.

10. Estar muito ocupado para apreciar sua vida.

Tome uma atitude, trabalhe duro, mas não se esqueça também de fazer uma pausa e prestar atenção aos pequenos momentos da vida.

Isso é honestamente o melhor conselho que existe.

Perceba que a vida é simplesmente uma coleção de pequenas chances de felicidade, cada uma vivida um momento de cada vez.

Que algum período a cada dia deve ser gasto percebendo a beleza no espaço entre os grandes eventos. Que momentos de sonhos, pôr do sol e brisas refrescantes não podem ser superados.

Mas, acima de tudo, perceba que a vida é estar presente, assistir, ouvir e trabalhar sem horário e sem antecipação de resultados a cada momento e, às vezes, em dias realmente bons, deixar esses pequenos momentos encherem seu coração de intensa gratidão.

Verdade seja dita, você irá inevitavelmente, seja amanhã ou no seu leito de morte, desejar que você tenha passado menos tempo se preocupando e correndo pela sua vida, e mais tempo realmente sendo consciente e apreciativo de cada dia.

Como superar os arrependimentos que você já tem

Os pontos acima são lembretes cruciais, mas e se você já tem arrependimentos com os quais está lutando desesperadamente?

Sem dúvida, os sentimentos de arrependimento às vezes sugam o melhor de nós. Por mais atraente que seja a ideia de viver uma vida livre de arrependimentos, raramente é uma tarefa fácil.

Muitas vezes, antes mesmo de perceber em que nossas mentes estão pensando…

-Lamentamos as chances perdidas.
-Lamentamos não gastar mais tempo e energia com mais sabedoria.
-Lamentamos situações e conversas que não correram bem.
-Lamentamos não falar quando tivemos a chance.
-Lamentamos entrar em relacionamentos tóxicos ou cometer erros em relacionamentos passados.

Sim, mesmo quando sabemos, lamentamos as coisas. E o fazemos simplesmente porque nos preocupamos com a possibilidade de termos tomado decisões diferentes no passado.

Deveríamos ter feito um trabalho melhor, mas não fizemos. Deveríamos ter dado a um relacionamento outra chance, mas não demos. Deveríamos ter começado aquele negócio, mas não começamos. E assim por diante.

Nós comparamos os resultados reais de nossas decisões passadas com uma fantasia ideal de como as coisas “deveriam” ser.

Em outras palavras, temos um conto de fadas dançando em nossas cabeças do que poderia ter sido, se tivéssemos tomado decisões diferentes.

O problema, claro, é que não podemos mudar essas decisões, porque não podemos mudar o passado.

No entanto, resistimos a essa verdade até o fim – continuamos analisando e comparando a realidade imutável com a nossa fantasia ideal até perdermos dias de nossa vida em misérias.

Mas por quê?

Se logicamente sabemos, por que não conseguimos deixar para trás todos os nossos ideais e fantasias?

Porque nos identificamos pessoalmente com esses ideais e fantasias. Todos nós temos uma visão de quem somos em nossas mentes – nossas boas intenções, nossa inteligência, nosso impacto social, etc.

E tomamos as melhores decisões que podemos, é claro, porque, de novo, geralmente queremos o bem. Mesmo que lute com questões de autoestima profunda, você provavelmente ainda se identifica como um ser humano decente e respeitoso.

E assim, quando alguém diz algo sobre nós que contradiz a visão de nós mesmos com a qual nos identificamos – ele insulta nossas intenções, nossa inteligência, nosso status etc. – nos ofendemos.

Nos sentimos pessoalmente atacados, e temos dificuldade em deixar para trás.

Algo muito semelhante acontece quando acreditamos que fizemos algo – cometemos um erro – que contradiz a mesma visão de nós mesmos com a qual nos identificamos. Nos ofendemos!

Em alguns casos, nós implodimos em nós mesmos – nos repreendemos por cometer o erro…. “Como eu fiz isso?”, pensamos. “Por que eu não fui mais inteligente e tomei uma decisão melhor?”

E, novamente, temos dificuldade em deixar para trás – temos dificuldade em lidar com o fato de que não somos sempre tão bons quanto a visão que temos de nós mesmos.

Então, em poucas palavras, nossos ideais e fantasias sobre nós mesmos tendem a nos causar muita miséria.

A chave é praticar gradualmente o abandono desses ideais e fantasias e, em vez disso, se concentrar em extrair o melhor da realidade. A verdade deve ser aceita…

Todas as decisões ruins que tomamos no passado estão feitas – nenhuma delas pode ser alterada. E, de fato, há algo de bom em cada uma dessas decisões ruins também, se decidirmos ver. Apenas ser capaz de tomar uma decisão é uma dádiva, assim como ser capaz de acordar de manhã e ser capaz de aprender e crescer a partir de nossas experiências de vida.

Na verdade, não somos o que imaginamos ser, pelo menos não sempre.Somos humanos e, portanto, somos multicamadas e imperfeitos. Fazemos coisas boas, cometemos erros, devolvemos, somos egoístas, somos honestos e às vezes mentimos. Mesmo quando estamos fazendo nosso melhor absoluto, estamos propensos a escorregar. E quando aceitamos isso e nos sentimos confortáveis com nossa natureza humana, tomar uma decisão ruim tende a entrar em conflito muito menos com nossa visão nova, mais flexível (e precisa) de nós mesmos.

Claro, tudo isso é mais fácil de dizer do que fazer, mas sempre que você se encontrar obcecado e se arrepender de uma decisão passada, você pode:

-Reconhecer que está caindo nesse padrão
-Perceber que há algum ideal ou fantasia que está comparando suas decisões e a si mesmo
-Deixar de lado esse ideal ou fantasia e aceitar uma gama mais ampla de realidade, fazendo as pazes com o que ficou para trás, para que você possa se concentrar mais no que está pela frente.
-É preciso prática constante.

Mas você não vai se arrepender.

Um dia você se encontrará perto do fim, pensando no começo.

HOJE é esse começo!

HOJE é o primeiro dia do resto da sua vida.

Eu desafio você a colocar os princípios deste artigo em bom uso!M

Motive-se para começar agora, respondendo a uma pergunta simples:

O que você pode fazer hoje que sabe que não se arrependerá?

FONTEAwebic
COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.