Nós temos a tendência de usar a mudança de ano como um divisor de águas em nossas vidas, portanto, devemos usufruir disso ao máximo para buscar melhorias pessoais e, para isso, estamos aqui.

O professor Clyde S. Kilby distribuía cópias mimeografadas deste “guia” aos seus alunos no início de cada semestre e nós viemos compartilhar com vocês:

1. De vez em quando, olharei para trás, com o frescor da visão que tinha na infância, e tentarei ser ao menos por algum tempo, nas palavras de Lewis Carrol, “a criança da fronte pura e límpida e olhos sonhadores de pasmo”.

2. Pelo menos uma vez por dia contemplarei o céu com toda a calma e me lembrarei de que eu, uma consciência consciente, estou num planeta a viajar no espaço repleto de coisas extraordinariamente misteriosas acima de mim e ao meu redor.

3. Em vez da ideia comum de uma mudança evolutiva interminável e aleatória à qual nada podemos acrescentar nem da qual nada podemos subtrair, imaginarei o universo regido por uma Inteligência que, como disse Aristóteles acerca do teatro grego, requer início, meio e fim. Acho que isso me livrará do cinismo expresso por Bertrand Russel antes de sua morte, quando disse: “Há trevas exteriores e, quando eu morrer, haverá trevas interiores também. Não há esplendor, nem vastidão, só a trivialidade do momento e, depois, o nada”.

4. Não cairei na falsidade de que este dia, ou qualquer dia, são meramente outras 24 horas vagas e arrastadas; antes, acreditarei que são um acontecimento único e, assim espero, repleto de potencialidades preciosas. Não serei tolo o bastante para imaginar que os problemas e o sofrimento são parênteses maus em minha existência; compreenderei, isto sim, que são como escadas para subir rumo à maturidade moral e espiritual.

5. Não farei de minha vida uma linha reta estreita que prefere abstrações à realidade. Estarei consciente do que estou fazendo quando fizer uma abstração, o que, é claro, farei com frequência.

6. Não aviltarei minha própria singularidade por inveja dos outros. Deixarei de importunar-me na tentativa de descobrir a que categorias psicológicas ou sociais pertenço. Sobretudo, simplesmente deixarei de pensar em mim e farei meu trabalho.

7. Abrirei os olhos e os ouvidos. Todos os dias, contemplarei uma árvore, uma flor, uma nuvem, uma pessoa. Não me preocuparei de modo algum em perguntar o que são, mas simplesmente me alegrarei com o fato de que são. Hei de permitir-lhes, com grande júbilo, o mistério daquilo que Lewis chama de existência “divina, mágica, assustadora e arrebatadora”.

8. Seguirei o conselho de Charles Darwin e me voltarei amiúde a coisas imaginativas, como a boa literatura e a boa música, de preferência, como sugere C. S. Lewis, livros antigos e música atemporal.

9. Não permitirei que as investidas malignas deste século usurpem todas as minhas energias, mas, ao contrário, como sugere Charles Williams, “viverei cada momento como o momento”. Tentarei viver bem agora porque o único momento que existe é agora.

10. Por nada mais que uma mudança de visão, tomarei como pressuposto que meus ancestrais procedem dos céus, não das cavernas.

11. Ainda que venha a descobrir-me equivocado, apostarei minha vida na convicção de que este mundo não é idiota, nem regido por um senhor ausente, mas que hoje, hoje mesmo, alguma pincelada está sendo acrescentada à tela cósmica que, no devido tempo, compreenderei com alegria como uma pincelada feita por um pintor que chama a si mesmo de Alfa e Ômega.

Este artigo é uma tradução de William Campos da Cruz originalmente publicado no Medium.com.

FONTEVida em equilíbrio
COMPARTILHAR

A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.

COMENTÁRIOS