“Recuperação residencial de volumes em ruínas”: esta é a definição de um projeto que demoliu a ‘vila de Zaccaria’, uma fazenda do século XVIII em Giugliano, na Campânia (Nápoles), mas na realidade ainda mais antiga porque foi construída nos tempos medievais nos restos de uma vila Roman rústico. Será substituída por uma residência com piscina cujas vendas já são anunciadas.

Os protestos de estudiosos e arquitetos (mas também de cidadãos comuns) que consideram as demolições um crime pelo patrimônio artístico italiano não foram atendidos e não serão necessários: a casa da fazenda já está em processo de demolição e na subdivisão da residência, que será composta por 48 apartamentos e com piscina, já é anunciado para vendas.

Tudo está acontecendo no silêncio (consentimento) das instituições e em plena aplicação da lei regional 19/09 do plano da casa, sem respeito ao patrimônio cultural, patrimônio da Região, mas na realidade de todo o país que parece não querer explorar, mais uma vez , sua imensa riqueza.

Quinta da Campânia demolida

© Claudia Procentese / Facebook

“Hoje em Giugliano, na província de Nápoles, isso aconteceu – escreve no Facebook Claudia Procentese, que relatou o incidente – A demolição do que eles chamaram (agora é o tempo passado a ser usado)” Aldeia Zaccaria “, uma fazenda do século XVIII mas ainda mais antiga porque foi construída na época medieval sobre os restos de uma vila romana rústica. Um feudo baronial com muitas casas no pátio e uma igreja dedicada a San Francesco d’Assisi, com um layout do século XVI e decorações em estuque de inspiração barroca “.

Um verdadeiro crime pela arte em nome da emergência habitacional, que na verdade começa de longe porque a fazenda, que também abrigava um antigo afresco (agora destruído), foi de fato totalmente abandonada, na total indiferença de instituições como a Superintendência à qual muitos agora perguntam o motivo disso tudo. Sem resposta.

Obviamente, as fotos do projeto são maravilhosas: a residência que será construída parece não apenas esteticamente bonita, mas, de acordo com o relatado no site do Open Project , também ambientalmente sustentável, com energia solar térmica, colunas de carregamento para máquinas elétricas e superfície permeável.

Fica a reflexão,

vale o preço?

Adaptado do site: GreenMe

Fontes de referência: Claudia Procentese / Facebook / Open Project

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.