Os cientistas estavam errados: “abelhas azuis” ainda existem

Conhecidas internacionalmente como “Blue Banded Bee”, as abelhas-azuis (Amegilla cingulata) chamam a atenção por conta da cor azul no abdômen. O animal foi visto pela última vez em 2016 — e os pesquisadores tinham certeza que estava extinto.

“Observamos uma abelhinha azul brilhante agarrando uma flor e esfregando a cabeça na parte superior da flor duas vezes” afirmou Kimmel para o Naples Daily News “Esse comportamento é característica única da abelha carpinteiro azul: ‘Ficamos chocados ao vê-la'”

Um espécime muito raro foi descoberto em março passado na Flórida pelo pesquisador universitário Chase Kimmel, após 4 anos de pesquisas em vão.

“Estamos tentando preencher muitas lacunas nessa espécie. Isso mostra o quão pouco sabemos sobre a comunidade de insetos e quantas descobertas ainda podemos fazer “, esclareceu o pesquisador.

Kimmel e seu consultor, Jaret Daniels, diretor do McGuire Center para Lepidópteros e Biodiversidade do Museu da Flórida , estão trabalhando em um projeto de pesquisa de dois anos para determinar o status atual e a distribuição da população de abelhas calamintha azuis, bem como hábitos de nidificação e alimentação.

Parece que ele vive apenas perto do Lago Wales Ridge , uma área conhecida mundialmente por sua incrível biodiversidade.

A sobrevivência desta espécie depende estritamente do C linopodium ashei, popularmente conhecida como magnólias, uma planta nativa dos Estados Unidos, que corre o risco de desaparecer.

Durante a polinização, ela tenta coletar o máximo de pólen possíve, balançando a cabeça para frente e para trás. Daniels e Kimmel estão tentando determinar se ela se alimenta exclusivamente de Clinopodium ashei ou também de outras flores, estudando o pólen coletado e monitorando seus movimentos.

L ‘ Osmia calaminthae é um inseto apoídeo, que cria ninhos individuais em vez de urticária como outras abelhas. De fato, eles tendem a usar ninhos feitos de terra ou cavidades de árvores mortas.

O maior objetivo agora, segundo Chase Kimmel é que ao longo de 2021, a equipe consiga mapear os possíveis lugares que a espécie pode ser encontrada. “Eu estava aberto à possibilidade de não encontrarmos a abelha, de modo que o primeiro momento em que a vimos no campo foi realmente emocionante”, disse ele em entrevista.

O que aconteceu na Flórida é uma bela descoberta que nos dá esperança para o futuro desta fascinante e colorida espécie de abelhas, bem como para o planeta!

Fonte: Museu da Flórida

Com informações: Aventuras na História

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.