Por Awebic

Você tem o aplicativo Headspace, sabe diferenciar as coisas e uma vez leu algo do Freud, então o que um cara que viveu 23 séculos atrás pode lhe dizer sobre a busca da felicidade hoje?

“Aristóteles fez isso primeiro e melhor. Então, por que não ir à fonte, o cérebro original que descobriu tudo isso?”, diz a professora Edith Hall.

“Eu acho que há um conforto nas ideias que as pessoas mantiveram por milhares de anos”, completa ela.

Seu livro, Aristotle’s Way, promete lhe ensinar “como a sabedoria antiga pode mudar sua vida”, em particular como alcançar um estado permanente do que os antigos chamavam de eudaimonia e nos aproximarmos mais do “contentamento”.

Segundo Aristóteles, Hall escreve: “O objetivo final da vida humana é, simplesmente, felicidade, o que significa encontrar um propósito para realizar seu potencial e trabalhar em seu comportamento para se tornar a melhor versão de si mesmo.”

É uma versão antiga do pôster “Trabalhe duro e seja legal com as pessoas”, mas em uma fonte menos legal. Aristóteles diria que a vida não planejada é um pouco menos provável de ser feliz. É uma questão de planejamento. Apenas planejamento.

Aristóteles aprovava comida, bebida e sexo (tudo com moderação – ele fala muito sobre moderação); ele acredita que o lazer é mais importante que o trabalho; que todos nós temos talentos inatos e que não atingimos o pico até os 49 anos.

Como não gostar?

Mas, de longe, a sua afirmação mais significativa é que a felicidade é alcançável por quase todos – você só tem que “decidir se tornar mais feliz”. Simples, hein!

“A felicidade não é um estado, no que diz respeito a Aristóteles, é uma atividade”, explica Hall.

“Você tem que fazer. Significa cada encontro, cada dia de sua vida e cada decisão que você toma, tentando fazê-las de maneira ponderada e deliberada até que se torne habitual”.

Como qualquer coisa, a felicidade requer um pouco de planejamento, argumenta Hall:

“Platão, seu professor, disse que a vida desconsiderada não vale a pena ser vivida. Aristóteles diria que a vida não planejada é um pouco menos provável de ser feliz. É uma questão de planejamento. Apenas planejamento.”

Com todas as injunções para se tornar a melhor versão de si mesmo, Hall claramente está de olho no mercado de autoajuda, bem como permanece firme no mundo clássico; você quase espera encontrar uma foto de um Aristóteles vestido de toga, sorrindo beatificamente sobre uma fatia de torrada e abacate.

“Ética da virtude” não soa muito divertido, e Hall joga uma nova vida em suas doutrinas (que ela admite que podem ser pesadas) para os leitores do século XXI, navegando através dos séculos e através das fronteiras culturais, absorvendo todos, de Filipe II da Macedónia a Pharrell Williams.

Um cruzamento entre Mary Beard e Mary Poppins, Hall está se divertindo do lado de fora das torres de marfim: “Eu amo a ideia de que agora estou no terreno de conselheira sentimental com Aristóteles.” Filha de um padre anglicano, Hall perdeu a fé quando tinha 13 anos e passou o resto da adolescência em um “deserto moral”.

Quando o resto de nós estava experimentando cigarros e rímel azul, Hall se interessou por astrologia, budismo e meditação transcendental, na tentativa de responder a sua pergunta fundamental – por que ser bom?

“Se você não acredita em um Deus intervencionista ou em vida após a morte, não há razão lógica para ser virtuoso. Por que você apenas não perseguiria seu próprio interesse?

Então, como estudante de graduação em Oxford, ela descobriu Aristóteles:

“Eu decidi que essa era uma maneira inacreditavelmente sensata de tentar organizar sua vida. Eu fiquei impressionada. Foi uma epifania total. Então eu comecei a fazer isso, por assim dizer.”

Planejamento e moderação não são as primeiras qualidades que associamos aos alunos, e Hall admite que foi complicado no começo. “É terrivelmente adulto assumir total responsabilidade”.

E aqui Aristóteles é caracteristicamente clemente, argumentando que os seres humanos não são capazes de previsão racional consistente até que tenham pelo menos 25 anos (algo agora apoiado pela pesquisa, aponta Hall).

E levou até os 30 e poucos anos para ela perceber que, se quisesse realizar suas esperanças de se tornar mãe, precisava parar de namorar “belos lagartos e invertebrados morais”.

Ela agora tem duas filhas, uma das quais também ama história e que a acompanhou em uma excursão pela Grécia, seguindo os passos de seu herói.

Então, o que isso realmente significa?

“Ser gentil “não é apenas uma questão de interesse próprio esclarecido”, diz Hall. “Existe uma fonte intrínseca de bom sentimento sobre si mesmo que realmente fornece um sentimento de contentamento”.

Os exemplos que ela dá são de garantir que ela sempre sorria para seus filhos “por mais cansada ou irritada que esteja”, ou levar uma bolsa para a delegacia ou para o perdidos e achados“, quando a tentação é colocá-la em seu bolso… pode machucar um pouco, mas você só tem que começar a se obrigar a fazer isso”.

Se, como eu, você fica ansioso com a ideia de não entregar uma bolsa, ou pede desculpas cinco vezes quando alguém esbarra em você, então você pode ser o que Aristóteles chama de “um eticista intuitivo da virtude”.

Quem diria? “Bom para você”, diz Hall, de uma maneira que não parece tão boa.

Você pode ser “legal demais” para ser um verdadeiro aristotélico: a raiva insuficiente, por exemplo, é um problema, especialmente para as mulheres.

“Isso significa que você não tem respeito próprio, vai ser pisado e não vai cuidar de si mesmo. Isso não é bom. Na verdade, você não pode ser uma pessoa totalmente moral.” Oh, céus!

Uma das coisas boas da filosofia de Aristóteles é que funciona independentemente da sua idade, acredita Hall.

Mas ela é evangélica – ela se descreve como uma “missionária secular” – sobre a necessidade de oferecer orientação moral aos jovens, sobre as coisas cruciais do cotidiano que você não é ensinado na escola.

“Tomar uma decisão, comunicação clara, como usar o seu lazer, como escolher um parceiro e amigos, e quando não há problemas em se livrar de amigos.”

Se tudo isso soa como fazer o que sua mãe sempre lhe disse – sorrir, fazer sua lição de casa, tudo com moderação, que seja!

Mas há um problema: embora tenhamos sido bem amados, Hall acha que nem sempre fomos “bem educados”; estamos estragando nossos jovens, os treinando inadequadamente em habilidades básicas de tomada de decisão.

E assim, o livro dela inclui conselhos práticos, por exemplo, como se candidatar a um emprego decente e quando dispensar o seu parceiro.

Quais são as três principais dicas para entrar em contato com seu Aristóteles interior?

Número um: “Seja honesto – conheça seus vícios.” Hall oferece uma versão prática do inventário de qualidades de caráter de Aristóteles, uma espécie de teste de personalidade.

Ela identifica sua própria falha mais grave como sendo vingativa. “Eu gosto de dar o troco nas pessoas, se elas machucaram a mim ou um ente querido. Eu gosto disso”, ela sorri perigosamente.

Agora, como uma aristotélica iluminada, ela só sai “em busca de vingança quando é apropriado”.

Número dois: “Revise todos os seus relacionamentos”, que devem ser todos baseados “em confiança recíproca completa”, de acordo com Aristóteles.

Ele tem um sistema para lidar com amigos e parentes que não fazem sua parte – você simplesmente os rebaixa de acordo com suas categorias “primárias”, “prazeres” e “utilidade”.

(“Eu ocasionalmente encontro com eles para o almoço”, diz Hall, sobre alguns de seus parentes relegados.)

A última categoria pode soar como algo que você tem que montar vindo de uma loja de móveis, mas agradavelmente abrange a maioria das nossas amizades. Do seu cônjuge à sociedade em geral, todos os relacionamentos são contratos, aparentemente. E se o seu parceiro te trai? “Eu sempre daria a ele mais uma chance”, diz Hall.

No adultério, Aristóteles “fala com demasiada frequência sobre o problema de imaginar a esposa do seu vizinho”, diz ela.

Mas a crença dele de que se você abusar da confiança conjugal, “você está realmente apodrecendo os alicerces da sociedade” certamente a ajudou a ser “uma boa menina”.

Número três? “Pense na sua morte. Olhe para o final”, diz Hall enfaticamente.

“Porque isso faz você continuar com as coisas. É uma questão de pensar em sua vida como um biógrafo enquanto você está vivendo, que sua vida é uma arte.”

Embora a ideia de que podemos simplesmente escolher sermos felizes seja sedutora, a coisa é mais na escola da psicologia do “é tudo coisa da sua cabeça”.

Dificilmente podemos culpar Aristóteles por ser um pouco antiquado (ele também era desonesto em relação a mulheres e escravos, o que Hall alega, argumentando que estava sempre aberto a mudar de ideia). Mas assumir a responsabilidade por sua própria felicidade será de pouco conforto para os clinicamente deprimidos ou recentemente desolados.

Hall concorda que pode ser difícil, mas não impossível, que as pessoas encontrem gratificação depois de uma tragédia terrível e, em última análise, ela diz alegremente que a vida é muito sombria:

“Estamos todos em uma sala de espera. É apenas uma questão de decidir passar o tempo tentando se divertir um com o outro”.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em The Guardian, escrito por Lisa Allardice.

FONTEAwebic
COMPARTILHAR

A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.

COMENTÁRIOS