A família de Stephen Hawking doou o ventilador usado pelo físico falecido em 2018 ao Royal Papworth Hospital, unidade situada na cidade inglesa de Cambridge, para ajudar a salvar vidas no combate contra a pandemia de Covid-19.

No entanto, desde muito jovem o cientista sofria de uma doença degenerativa, que foi o impedindo de andar, falar e, nos últimos anos, até mesmo de respirar. Em meio à pandemia do coronavírus, sua filha – Lucy Hawking, decidiu doar o complexo aparelho respirador que o pai usou nas últimas semanas de vida às vítimas da Covid-19.

Em nome da família, a doação foi feita ao Royal Papworth Hospital de Cambridge, que, segundo comunicado escrito por ela, cuidou de seu pai de maneira “brilhante, dedicada e compassiva” até sua morte, aos 76 anos, em 14 de março de 2018. Ao lembrar do pai, Lucy disse que se ele estivesse vivo, “estaria na linha de frente da pandemia, e entramos em contato com alguns de nossos velhos amigos para perguntar se poderíamos ajudar”.

Ainda na juventude, Hawking descobriu que sofria de esclerose lateral amiotrófica (ELA). Se o autor do clássico ‘Uma Breve História do Tempo’ aprendeu a conviver em paz com sua doença, a maior ironia é que foi justamente ela que ajudou a construir sua fama de cientista pop. Afinal de contas, ele foi a representação perfeita do triunfo do cérebro sobre o corpo, da razão sobre a matéria.

Depois de sua morte, a família devolveu ao hospital todo o equipamento respiratório que o Serviço Nacional de Saúde britânico, o NHS, havia proporcionado. Mas Hawking também havia comprado alguns aparelhos, como explicou a filha: “Agora estamos entregando ao NHS com a esperança de que ajudem na luta contra a Covid-19″.

O hospital já reagiu a este gesto. Segundo o diretor do serviço de pneumologia, “foi adorável receber notícias da família da Hawking e estamos muito gratos pela doação deste equipamento”.

Com informações do site: Quokkamag

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.