O esporte nos Estados Unidos vive um de seus momentos mais controversos, tudo depois do enorme debate gerado em torno da nadadora transexual Lia Thomas, que recebeu a rejeição de suas companheiras.

A atleta, que até 2019 competia entre os homens, sagrou-se campeão dos Estados Unidos na prova de 500 jardas no campeonato organizado pela NCAA. Um sucesso que causou o incômodo de quem considera injusto competir na categoria feminina.

AcusadA de quebrar recordes femininos, muitos presentes ficaram chateados quando Lia venceu Emma Weyant, a medalhista de prata em Tóquio 2020, por uma ampla margem.

Por isso, ao receber sua medalha no pódio, o público mostrou sua indignação com vaias denunciando a disparidade de condições dos demais competidores em relação a Thomas.

Com placas como “salve o esporte feminino” e “é homem” , foi possível demonstrar o aborrecimento que o público e os próprios competidores demonstraram em relação a Lia. De fato, ao receber seus prêmios, as atletas se distanciaram da nadadora e preferiram receber seus lugares longe dela.

Leia também: Amizade de longa data: Sandra Bullock revela com que frequência se encontra com Keanu Reeves

Além disso, o público começou a aplaudir quando a segunda nadadora, Emma Weyant, chegou, tentando prejudicar Lia Thomas e suas vitórias.

De acordo com o portal La Vanguardia, nunca havia acontecido na história da competição que um competidor de nível olímpico perdesse para um novato.

Lia Thomas gerou muito debate em torno do esporte feminino, principalmente quando se soube que seus resultados nos eventos masculinos foram decepcionantes e na categoria feminina ela continua brilhando.

Leia também: Longe da TV, Lolita Rodrigues completa 93 anos e segue reclusa em João Pessoa (PB)

Fonte: HeadTopics

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS