Muitos pais podem acreditar que o uso excessivo do celular não pode prejudicar nossos filhos, no entanto, pesquisas recentes determinaram que esse hábito excessivo pode causar certos preconceitos às crianças. Especialistas em comunicação explicam que o desenvolvimento infantil pode ser influenciado pelo problema do celular e nos convidam a ser mais responsáveis ​​com o uso deste dispositivo quando tivermos filhos.

Segundo estudos, os danos podem ocorrer a nível emocional e intelectual, pois nos primeiros anos de vida é quando os processos linguísticos, sociais, emocionais e motores se desenvolvem com maior intensidade no cérebro da criança.

Quando se trata de crianças menores, essa situação pode interferir na formação de suas principais conexões neurais, que no primeiro ano chegam a mil.

Leia também: 5 erros comuns na educação de nossos filhos

Um dos processos mais afetados pode ser a aquisição da linguagem, principalmente no desenvolvimento do vocabulário, que começa a ocorrer a partir dos 15 meses e segue até a idade pré-escolar. Dentro deste mesmo elemento destacam-se a comunicação e a interação direta, face a face, gestos, emoções e expressão.

Como o uso excessivo de celular afeta nossos filhos?
A dependência móvel é um processo que está afetando muitas pessoas em todo o mundo, isso tem causado a perda de grande parte da interação social direta, ocorre com frequência nas famílias e pode afetar principalmente os mais pequenos. Os danos que podem ocorrer no cérebro da criança são mais agressivos quando são bebês muito pequenos , mas na realidade podem afetá-los em qualquer fase do seu desenvolvimento, pois tem efeitos em diversos aspectos.

Nesse sentido, o uso excessivo do celular pode prejudicar nossos filhos na forma como interagimos com eles e como falamos com eles . Sabe-se que a interação que ocorre face a face quando falamos com outra pessoa é capaz de transmitir muitos elementos comunicativos, que o caso das crianças é importante para que ocorra um estímulo emocional e de aprendizagem.

Pesquisas anteriores mostraram que a comunicação entre pais e filhos desde os primeiros meses de vida é um elemento que também afeta o comportamento e o desenvolvimento emocional. Através da relação com os pais, os filhos aprendem a compreender e a regular as emoções , ao mesmo tempo que conseguem distinguir as expressões faciais e o seu significado; É por isso que é tão importante que possamos falar com eles, sempre olhando-os na cara.

Outro aspecto que preocupa muito os pesquisadores é que, enquanto os pais estão absortos no telefone celular, tendem a ignorar os pequenos; em qualquer caso, eles podem conseguir responder sem olhar ou sem processar claramente o que a criança diz. Esse comportamento também tende a se transformar em aborrecimento, pois o vício em celulares os leva a serem um pouco mais intolerantes a interrupções ; É por isso que eles ficam com raiva mais rápido e as consequências dessa raiva geralmente recaem sobre as crianças.

Leia também: “Mães saudáveis preparam os filhos para arcar com as suas responsabilidades” – Içami Tiba

Também é comum que o comportamento dos filhos seja alterado, visto que os pequenos tendem a se comportar mal para chamar a atenção dos pais , o que também causa um ambiente um pouco mais irritado. Os especialistas explicam que enquanto as pessoas realizam alguma ação no celular, a parte do cérebro do “fazer” é ativada, razão pela qual tendem a ignorar outras ações ao seu redor.

As consequências emocionais podem se tornar mais complexas e difíceis de superar, mas infelizmente ocupam um lugar muito importante neste processo.

A maioria dos filhos pode se sentir ignorada pelos pais, o que podem interpretar de várias maneiras, talvez acreditando que não são amados ou são menos importantes; a situação é percebida como uma rejeição que afeta sua autoestima e prejudica suas habilidades sociais.

Bibliografia
Besolí, G., Palomas, N., & Chamarro, A. (2018). Uso do telefone celular por pais, crianças e adolescentes: Crenças sobre seus riscos e benefícios. Aloma: Journal of Psychology, Ciències de l’Educació i de l’Esport , 36 (1). http://revistaaloma.net/index.php/aloma/article/view/328
Bringué, X. & Sábada, Ch. (2011). A Geração Interativa em Madrid. Crianças e adolescentes diante das telas. Fórum Gerações Interativas – Fundação Telefónica. https://dadun.unav.edu/bitstream/10171/20593/1/GGII-Madrid-final.pdf
McBride, DL (2011). Riscos e benefícios das mídias sociais para crianças e adolescentes. Journal of Pediatric Nursing , 26 , 498-499. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21930038

Fonte: Eres Mama

RECOMENDAMOS



Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.