Por ANA CRISTINA SAMPAIO

O que significa ter compaixão? O dicionário explica que compaixão é piedade, misericórdia, dó, pesar. Compaixão, no entanto, é muito mais que o sentimento de pena de alguém, pois quem tem pena o sente de cima para baixo.

Ao sentir pena, nos consideramos melhores e mais fortes do que o outro naquele dado momento. Compaixão, por outro lado, requer empatia com a dor alheia. E para sermos empáticos precisamos nos nivelar com o outro, compreender seu problema como se fosse conosco. O olhar da compaixão pode ser perfeitamente exercitado em nosso dia a dia e nos garante, a longo prazo, uma profunda mudança de perspectiva.

Mais que isso, a pena pressupõe que o outro é incapaz de reagir, de conseguir erguer-se por si só. Por isso, a atitude de quem sente pena é passional, pois busca prestar solidariedade ao outro sem acreditar na força da pessoa em dificuldade. Além disso, quem sente pena traz em seu íntimo uma negação implícita de empatia quando declara que não gostaria de estar no lugar do outro. Isso gera atitudes distanciadas, humilhantes e reforça no outro a sensação de incapacidade e falta de coragem para enfrentar a situação difícil em que se encontra.

Compaixão, por outro lado, requer empatia com a dor alheia. E para sermos empáticos precisamos nos nivelar com o outro, compreender seu problema como se fosse conosco. Ao adentrarmos no universo da dificuldade de outrem com o olhar compassivo, automaticamente acreditamos que existe solução plenamente alcançável, reforçando a autoestima de nosso semelhante.

No entanto, o individualismo a que grande parte da humanidade se entrega tem dificultado o desenvolvimento da compaixão. O que se vê é uma couraça de indiferença que vestimos para nos proteger das dores alheias, insensíveis ao sofrimento do próximo. Fugimos da compaixão, deixamos de nos interessar verdadeiramente pelo outro e seguimos em atitudes reforçadoras do ego e da superficialidade nas relações. Tudo isso acontece nos lares, nas empresas, nas escolas, nas ruas, a ponto de nos tornarmos por vezes frios e impiedosos.

Acima da emotividade vazia da pena, a compaixão é atitude que realiza o socorro do irmão em sofrimento, ao invés de apenas apiedar-se dele. Pouco importa se o beneficiado pela compaixão não a valorize, nem a reconheça ou sequer venha a identificá-la. É pela prática da compaixão que aprendemos a sacrificar os sentimentos inferiores e a abrir o coração.

Portanto, expandir esse sentimento é dar significado superior à vida. Quando somos capazes de participar dos sofrimentos alheios, os nossos nos parecem sem importância e menos significativos. Ao repartirmos a atenção com aqueles em piores condições que nós, perde sentido o tempo gasto em lamentações pessoais.

O olhar da compaixão pode ser perfeitamente exercitado em nosso dia a dia e nos garante, a longo prazo, uma profunda mudança de perspectiva. Ao introduzirmos o viés da compaixão por nós mesmos, podemos nos perdoar pelos erros cometidos e renovar as atitudes sob novas bases. A compaixão pelo outro leva à indulgência, com a qual reconhecemos a falibilidade de todo ser humano, contribuindo para a redução das expectativas e das cobranças em nossas relações. O resultado é menos julgamento e mais harmonia em nossa vida.

Por fim, a compaixão permite que experimentemos, pouco a pouco, a verdadeira humildade, aquela na qual reconhecemos que virtudes, defeitos e limitações existem em qualquer ser humano, independentemente de origem e escolhas. Quantas descobertas e quanta evolução de sentimentos podem partir de uma simples, mas decisiva, compreensão do sentido da compaixão.

FONTEObviousmag.org
COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.