As crianças aprendem a pedir desculpas observando seus pais fazerem o mesmo. No entanto, nem todas as famílias são capazes de pedir perdão aos seus próprios filhos quando uma situação o requer, quando as circunstâncias assim o pedem. Com frequência esquecemos que são estes tipos de cimentos os que erguem os melhores vínculos, os mais felizes e respeitosos.

Um aspecto descuidado em muitas dinâmicas familiares é o estilo de comunicação. Com frequência não somos conscientes da grande quantidade de códigos, regras invisíveis e marcas psicológicas que projetamos em nossa família com o que fazemos, dizemos, ou ainda mais, com o que “não dizemos”.

“Se você cometer um erro, demonstre que pode ter a humildade de dizer ‘me desculpe’, eu errei”.

O modo como interagimos ergue as raízes da harmonia ou, pelo contrário, planta as sementes da infelicidade no nosso núcleo de relações mais próximo? Esta pergunta merece, sem dúvidas, uma reflexão. Seja de uma forma ou de outra, está claro que todos cometemos erros e “precisamos” pedir desculpas. Assim, identificar os momentos nos quais um pedido de desculpas é necessário também é demonstrar inteligência emocional.

Esta dinâmica, esta prática saudável e edificante, também é fundamental na criação e na educação de nossos filhos. É um modo muito certo de transmitir aos pequenos um sistema de valores para ter uma visão mais próxima do ser humano, para nos concebermos com falhos, mas dignos de saber pedir perdão para melhorar nossos atos, para cuidar dos nossos laços…

Pedir desculpas: uma prática de convivência básica

Todos nós cometemos erros. Não existe ninguém que tenha chegado a este mundo com um material que o faça imune aos erros, equívocos ou mal-entendidos. Assim, e em matéria de criação e educação, ninguém é alheio às falhas, às práticas inadequadas, aos focos pouco acertados, aos descuidos, etc. Agora, a chave de tudo isso não está no fato de cometer mais ou menos erros com nossos filhos, e sim no modo como administramos essas situações.

Identificar o erro e reconhecer a responsabilidade dizendo “me desculpe” a uma criança também é educar. No entanto, nossa “cultura” de adultos nem sempre aprova ou é favorável a este tipo de gestos, como se os próprios pais tivessem medo de quebrar o mito da infalibilidade diante de seus filhos. Alguns temem, inclusive, perder a autoridade perante a criança.

Isso é o que pensam muitos pais e muitas mães. É o caso do pai que alimenta seus filhos com incríveis promessas que mais tarde não cumpre; da mãe que acaba gritando com seu filho por qualquer besteira, por não ser capaz de administrar a ansiedade que traz do trabalho e que não consegue deixar na porta de casa.

Pedir desculpas é uma prática de convivência básica, é o caminho correto quando surge um problema pelo qual, como adultos, somos responsáveis. Logo, poucos atos contêm uma expressão tão válida de empatia e um reconhecimento das normas de convivência; normas que todos, adultos e crianças, somos obrigados a cumprir pelo bem comum.

Aprendendo a ser família

Muitos de nós passamos o dia dizendo “me desculpe” pelos atos mais triviais. Fazemos isso quando esbarramos em alguém, quando nos esquecemos de ceder o lugar a outras pessoas no ônibus, quando nos esquecemos de trazer o livro de nosso colega de classe ou de trabalho… Sim, é importante praticar esta arte nos atos menores, mas também é essencial usá-la com as pessoas mais próximas de nós, com as que mais amamos.

O amor, o afeto e o carinho precisam ser cuidados e trabalhados. Aprender a pedir desculpas é criar familiarização, é criar um cenário para formar crianças mais felizes partindo de valores adequados. Veja a seguir seus principais benefícios.

Dinâmica familiar saudável

  • Pedir perdão aos nossos filhos, um passo com grandes benefícios
  • Dizer “me desculpe” aos nossos filhos nos ajuda a estar mais centrados em nosso dia a dia. Em nosso turbilhão cotidiano, o ato de criar consciência de nossa falibilidade com eles nos permite estar mais fixados no presente, nas necessidades mais imediatas do pequeno.
  • É preciso entender algo: pedir perdão a uma criança não é um ato de fraqueza. Pelo contrário, é um exercício de maturidade e responsabilidade.
  • Ao reconhecermos o erro cometido com nossos filhos, evitamos que as situações se compliquem e que eles deixem, pouco a pouco, de confiar em nós.
  • Nas relações em que os adultos são capazes de dizer “me desculpe” e pedir perdão às crianças, são valiosos os atos de aprendizado por ambas as partes. Os adultos não são infalíveis, e cometer erros está escrito em nosso DNA. Este é um exercício ideal para melhorarmos como seres humanos.

Para concluir, algo que toda família deve entender é que o pedido de desculpas é um tendão psicológico que beneficia a todos. Vamos colocá-lo em prática sem medo, sem reticências.

FONTEA mente é maravilhosa
COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.