O psicólogo Alberto Barradas não aprova de forma alguma a excessiva exposição a que Shakira vem submetendo Piqué.

“Ninguém pensa em crianças” tem sido uma das críticas mais repetidas nas redes sociais desde que Shakira lançou sua nova música, que contém milhares de “bombas” contra seu ex e pai de seus filhos, Gerard Piqué. Mesmo que, para alguns, isso pareça algo trivial, especialistas garantem que o novo tema de Shak pode ser prejudicial para os pequenos.

A separação de um casal nunca é fácil, principalmente quando há filhos em comum envolvidos. É o caso de Sasha e Milán, que tiveram que sofrer toda a separação de seus pais, Shakira e Gerard Piqué, desde que se começou a especular que ele teria sido infiel ao cantor com sua nova namorada, Clara Chía Martí.

A grande diferença entre Milan e Sasha com o resto das crianças do mundo é que, como seus pais são celebridades de classe mundial, eles tiveram que suportar a separação de maneira midiática e bastante pública.

Foi a mesma coisa que aconteceu quando Shakira se juntou ao Bizarrap para lançar uma “metralhadora” contra sua ex e sua atual namorada, onde fala sobre o mal que Piqué estava fazendo com ele em sua vida.

Isso foi justamente algo que desagradou Alberto Barradas, psicólogo e influenciador venezuelano, que analisou a situação do ponto de vista sentimental dos filhos de Shak.

O especialista acredita que a música em que a mãe de Sasha e Milan bombardeiam seu pai não lhes trará nada além de dor. “As crianças estão passando por um estresse significativo, e não só isso, elas continuarão a sentir isso por muito tempo”, foram algumas das palavras do psicólogo.

Além disso, o venezuelano acrescentou que a situação dos pequenos é lamentável. “Se você me perguntar, sinto compaixão por essas crianças. Espero que encontrem um excelente terapeuta para eles, pois vão precisar”, confessou Alberto. Aqui está sua análise feita no Instagram:

Fonte UPSOCL

RECOMENDAMOS



Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.