Por site A mente é maravilhosa

Trate seus filhos como você mesmo gostaria de ser tratado. Desligue seus medos, nomeie aquelas emoções que eles não podem expressar, dê tempo, ilumine seus sonhos e faça com que eles se sintam como o que são, as pessoas mais valiosas em seu mundo.

É curioso como hoje, muitas mães e pais veem a criação com um pouco de medo. Eles leem manuais educacionais, são instruídos nas teorias mais recentes e buscam uma resposta para todos os problemas na Internet ou nos amigos – pais ou não – que se levantam como gurus autênticos em questões parentais . Esses pais esquecem de alguma forma de ouvir algo muito mais valioso do que tudo isso: seu instinto natural.

Uma criança não quer gritos ou entende de reprovações, seu filho merece ser tratado com a arte de ouvir, a paciência e a grandeza de afeto. Porque as crianças não precisam ser “domadas”, elas precisam ser amadas.

O instinto de uma mãe ou a capacidade natural de um pai de intuir as necessidades de seus próprios filhos é, sem dúvida, a melhor estratégia quando se trata de educá-los. As crianças vêm ao mundo com uma bondade inata, por isso merecem ser tratadas com respeito a salvaguardar esta nobreza de coração, atendendo naturalmente e sem temer cada acontecimento que nos traz o dia a dia.

Uma criança deve ser tratada com carinho e sem medo

Há mães e pais que têm medo de falhar em seu papel de pais. Acham que pode ser uma tragédia não ser capaz de dar aos filhos a melhor festa de aniversário, não encontrar um lugar na melhor escola ou não poder comprar as mesmas roupas de marca que seus amigos usam na escola. Eles desejam, de alguma forma, oferecer a seus filhos o que eles mesmos não tinham.

É claro que todo mundo é livre ao escolher como educar uma criança, mas muitas vezes esquecemos como as crianças são e tudo o que acontece dentro delas. Nos apegamos a pensar em tudo que devemos oferecer sem primeiro descobrir o que eles realmente precisam: nós mesmos.

• Uma criança não é um adulto em miniatura, ele é uma pessoa que precisa entender o mundo através de você e com sua ajuda.

• Uma criança age sempre por necessidades e não por manipulação ou malícia como os adultos . Temos que ser intuitivos sobre essas demandas.

• Uma criança deve, acima de tudo, ser tratada com afeto. Nossos filhos não precisam de roupas de marca ou brinquedos eletrônicos para brincar sozinhos. Eles precisam do seu tempo , seu exemplo, seus abraços de boa noite e sua mão entrelaçada para atravessar a rua.

Criação autorregulada: compreensão e acompanhamento

A criação de filhos autorregulada é diretamente nutrida pelas teorias de apego formuladas em sua época pelo psiquiatra Wilhelm Reich. Hoje são novamente tópicos porque exaltam uma série de conceitos-chave através dos quais se conectam muito melhor com a infância, com seus tempos, com suas necessidades.

Uma mãe é mais eficiente do que nunca quando confia em seu instinto, quando lê nos olhos do filho o que realmente precisa.

O interessante dessa abordagem é que a autorregulação é entendida como sinônimo de vida, da necessidade de primeiro entrar em contato com nossa própria complexidade pessoal para entender que a criança também tem suas necessidades, conflitos gerados, às vezes, por uma sociedade que não inclui a infância ou o bebê.

Chaves para criação autorregulada

A criação autorregulada nos diz que uma criança que foi tratada com respeito em sua infância e que também viu como seus pais eram respeitosos com todos aqueles ao seu redor, será um adulto respeitoso.

Mas … de que maneira alcançamos tal conquista? Como a criação de filhos autorregulada nos ensina a dar adultos felizes ao mundo?

• Uma criança deve sentir-se compreendida e acompanhada em todos os momentos. Se a frustração aparecer, essa criatura deixa de se sentir adaptada, integrada.

• Você tem que educar com um apego saudável baseado no amor e na proximidade. Desta forma, pouco a pouco, essa criança se sentirá segura para dirigir seus passos em direção à independência.

• A voz de uma criança deve ser ouvida em todos os momentos, porque ela também deve ser levada em consideração quando riem e quando choram, quando exigem ou quando sugerem.

• A criação de filhos autorregulada também nos fala sobre os tempos, sobre não iniciar o aprendizado intelectual até os 7 anos de idade, a fim de promover um período de descobertas através do brincar.

A interação com seus ambientes através dos cinco sentidos e relações com seus pares através da alegria, também nos oferece uma maneira interessante de promover seu desenvolvimento psicossocial. No entanto, e seja qual for a abordagem com a qual escolhemos criar nossos filhos, não devemos nos esquecer de algo tão simples como tratá-los com essa fórmula mágica precisa e infalível: o amor.

FONTEA mente é maravilhosa
COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




A Grande Arte De Ser Feliz
Para todos aqueles que desejam pintar, esculpir, desenhar, escrever o seu próprio caminho para a felicidade.