Os vestígios de uma antiga estrada e cais romanos acabam de ser descobertos submersos na lagoa de Veneza, no canal Treporti (Itália).

Uma descoberta excepcional feita graças ao mapeamento do fundo do mar por sonares de alta resolução e que confirma que séculos antes da fundação da cidade já existiam povoações estáveis, com um verdadeiro sistema viário.

Estes são os resultados que emergem de um estudo realizado pelo Instituto de Ciências Marinhas do Conselho Nacional de Investigação (Ismar-Cnr) e da Universidade Iuav de Veneza e publicado na revista Scientific Reports.

A estrada é composta por 12 estruturas alinhadas ao longo do eixo Canale Treporti, com até 2,7 metros de altura e até 52,7 metros de extensão. Incrível!

Leia também: “Eu sempre serei infiel a você”: noivo se confunde durante votos de casamento e viraliza [VÍDEO]

Os romanos construíram uma rede de estradas muito eficiente que se estendia por dezenas de milhares de quilômetros para conectar todos os seus territórios – diz o estudo.

Várias partes desta rede de estradas antigas ainda estão bem preservadas depois de mais de dois milênios em muitos sítios arqueológicos na Europa, Oriente Médio e Norte da África.

O sistema de transporte, no entanto, não se limitou às rotas terrestres, já que o controle imperial do território se estendeu a ambientes de transição como deltas, pântanos e lagoas, e uma rede capilar de vias navegáveis ​​foi utilizada para a troca de mercadorias e a movimentação de pessoas.

Nesse contexto, qual foi o papel desempenhado pela lagoa de Veneza, a maior lagoa do Mar Mediterrâneo, que circunda a cidade histórica? Sabemos que na época romana o nível médio relativo do mar era inferior ao atual e que grande parte da lagoa, agora submersa, era acessível por via terrestre.

O destino da lagoa de Veneza, sua origem e evolução geológica sempre estiveram intimamente ligadas à relativa elevação do nível médio do mar, que hoje ameaça a própria existência da cidade histórica e da ilha lagunar.

No entanto, embora a evolução geológica da lagoa de Veneza tenha sido examinada em vários estudos, menos se sabe da presença humana na lagoa antes da fundação da cidade histórica.

À semelhança do que aconteceu com muitas áreas costeiras da área mediterrânea e outras partes do mundo, numerosos achados arqueológicos foram encontrados debaixo d’água ou mesmo enterrados sob o fundo das lagunas, muitos dos quais são de origem romana.

E agora, a descoberta desses vestígios romanos (uma escola de pensamento afirmava que Veneza foi construída em um lugar ‘deserto’ sem vestígios anteriores da presença humana e da era romana) reabre uma perspectiva mais ampla:

[…] Este estudo multidisciplinar apoia a perspectiva dos extensos assentamentos romanos na Lagoa de Veneza, apresentando novos dados interpretados através do arquivo e da pesquisa geoarqueológica e modelagem digital.

Leia também: “Uma avó não deve criar os netos”, diz aposentada de 61 anos que decidiu viajar pelo mundo

Em particular, a contribuição visa: mostrar a presença de um extenso troço rodoviário no contexto lagunar ligeiramente submerso de Veneza como uma indicação do povoamento, movimento e desenvolvimento económico da área na época romana; confirmar a capacidade romana de se adaptar e gerenciar ambientes dinâmicos complexos, muitas vezes radicalmente diferentes dos de hoje e, por fim, sublinhar a necessidade de redescobrir, documentar e preservar vestígios arqueológicos em uma paisagem costeira submersa ou enterrada que pode ser ameaçada por mudanças induzidas pelo homem o o aumento médio relativo do nível do mar,

Examinando os dados coletados, os arqueólogos notaram a presença de 12 estruturas antropogênicas , alinhadas por mais de um quilômetro na direção nordeste a cerca de quatro metros de profundidade.

Entre outras coisas, uma dessas estruturas já havia sido objeto de investigação por Ernesto Canal e pela Superintendência em 1985, que havia descoberto algumas ânforas e numerosas lajes, que pavimentaram uma estrada romana ao longo da costa arenosa hoje submersa pelo mar.

Mais perto da foz do porto de lido, a uma profundidade de 11 metros, os pesquisadores também identificaram outras quatro estruturas: a maior com quase 135 metros de comprimento e até 4 metros de altura.

Pode ser uma parede – diz a geofísica do Cnr Fantina Madricardo à ANSA – provavelmente parte de uma estrutura portuária ou de um cais.

Fonte: Green Me

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS