Ser pais é uma experiência maravilhosa que traz muitas alegrias e satisfações, mas implica também assumir uma grande responsabilidade com uma pessoa pequena que não pediu para vir ao mundo e que agora precisa de múltiplos cuidados e, acima de tudo, merece uma boa educação.

Na realidade, ninguém está totalmente preparado para a grande aventura de ser pai, de modo que a educação dos filhos costuma combinar um pouco de intuição e outro de experiência. No entanto, existe uma máxima que não só confirma a sabedoria popular, mas também a ciência: liderar pelo exemplo.

Nestes tempos, com tanta informação na ponta dos dedos, muitos pais caem no erro de pensar que, para educar bem os filhos, basta ter à mão estratégias e ferramentas específicas.

Leia também: Pai tatua marca de nascença do filho em seu próprio corpo: ‘Para ele se sentir melhor’

É verdade que conhecer a teoria é importante, mas não devemos esquecer que a realidade muitas vezes excede qualquer livro. Não é necessário buscar métodos educacionais elaborados, basta ensiná-los pelo exemplo. Na verdade, as crianças aprendem muito por imitação, então “ faça o que eu digo e não o que eu faço ” não vale a pena .

As crianças começam a conhecer o ambiente que as rodeia através dos pais, que são os seus primeiros modelos.

Os pequenos passam grande parte do dia olhando para suas ações, suas respostas, suas emoções e suas formas de reagir, esses padrões são os primeiros que eles observam e os marcarão para sempre.

Além disso, devemos ter em mente que, uma vez que os filhos não são capazes de discernir entre o bem e o mal, seu padrão de referência são os pais.

Como você pode supor, isso implica uma enorme responsabilidade para os pais, que devem estar muito atentos a cada um de seus comportamentos para que possam dar um bom exemplo aos filhos.

Na verdade, é essencial que as crianças não percebam discrepâncias entre palavras e ações. Por exemplo, se você disser a seu filho para não mentir, mas ele o pegar contando uma mentira, ele ficará confuso ou pensará que mentir é aceitável. Sermões e punições serão de pouca utilidade se o exemplo que você tem em casa for negativo.

O mesmo se aplica ao gerenciamento de emoções. Não podemos fingir que a criança, que ainda não possui os mecanismos neurológicos necessários para exercer o autocontrole, não tenha acessos de raiva ou comportamento violento ao ver os pais gritarem e se irritarem na discussão ou mesmo recorrer à violência verbal.

Não devemos esquecer que, embora as crianças nem sempre entendam o significado das palavras, elas são verdadeiras especialistas em capturar as emoções que estão por trás delas. Portanto, você pensará que perder o controle e ficar com raiva é algo aceitável.

Faça mais, diga menos. O provérbio popular nos diz que ” um ato vale mais que mil palavras “. Podemos aplicar essa ideia à educação infantil, pois é muito mais fácil para as crianças imitar um comportamento do que compreender suas causas ou elucidar as consequências. Portanto, use menos os sermões e recorra mais às ações.

Leia também: Para comemorar aniversário, jogador do Napoli envia navio carregado de suprimentos médicos para seu país natal

Seja consistente com o comportamento que você exige. As crianças estão atentas a cada detalhe, se perceberem que você usa um padrão para elas e outro para você, elas se sentirão confusas e você perderá a autoridade moral.

Portanto, antes de exigir algo dele, certifique-se de dar o exemplo. Na verdade, às vezes educar uma criança também envolve um processo de crescimento pessoal.

Aceite o erro e peça desculpas. Ninguém é perfeito, nem mesmo os pais. Se você cometer um erro, peça desculpas a seu filho, para que ele entenda que é importante saber reconhecer os erros e ser humilde o suficiente para pedir perdão.

Fonte: Etapa Infantil

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS