Depois da descoberta de um tumor maligno e um prognóstico de 6 a 12 meses de vida, uma criança, desafiando as probabilidades, se curou e hoje está livre do câncer.

Tudo se iniciou em meados de abril de 2021, quando Leanne Waite e seu marido, Chris, ao decidirem trocar as roupas de seu filho Albie, de três anos, notaram que a criança sentia muito dor em seu braço que havia ficado preso em sua camiseta.

A criança foi levada ao hospital de Swindon, em Wiltshire, e lá, as primeiras suspeitas dos médicos era de que a o pequeno havia quebrado a clavícula. Apenas depois dos exames, foi detectado um caroço na mesma região.

Ao ser encaminhado a um segundo hospital, os profissionais confirmaram o que os pais tanto temiam: O diagnóstico de um tumor rabdóide, seguido de uma notícia de que a expectativa de vida de Albie era de 6 a 12 meses de vida.

“Não consigo nem explicar o choque de descobrir que Albie tinha câncer”, disse a mãe de quatro filhos, de Gloucestershire. “Passou de uma lesão a um prognóstico.

A recuperação do pequeno não foi nada fácil. Além de uma cirurgia para a remoção do tumor, que o deixou com uma cicatriz que se estende por todo seu pescoço, Albie passou por seções de radioterapia e quimioterapia.

O cansaço e falta de energia fizeram parte da rotina da criança, mas isso não o impediu de ser amamentado por sua mãe, mesmo que chegou a precisar de uma máquina de alimentação que era utilizada três vezes ao dia.

Entretanto, após longos oito meses do diagnóstico, Albie se curou milagrosamente da doença, retornando ao hospital apenas para agradecer os profissionais de saúde do Bristol Children’s Hospital dois dias antes do natal.

Leia também: “Tive que falar na entrevista de emprego que eu não tinha filho para não me descartarem”

“Vê-lo voltar para a criança barulhenta que ele era antes é simplesmente incrível.”

“De alguma forma, nós sobrevivemos como uma família”, disse Leanne, que acredita que não poderia ter feito isso sem o apoio de sua família estendida, que se revezava cuidando das outras crianças.

“Albie é incrível; ele adora correr e é uma borboleta social.”

“Acho que, porque ele passou muitos de seus primeiros dias entrando e saindo do hospital cercado por funcionários diferentes, ele se tornou tão avançado socialmente.”

Agora, a família valoriza todos os dias juntos e exorta outros pais a seguirem seus instintos quando sabem que algo está errado.

Leia também: Escola defende professora trans criticada pelo tamanho de suas próteses mamárias

Fonte: Gloucestershire Live

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS