O pequeno Francisco Guedes Bombini, o “Super Chico”, como é carinhosamente conhecido nas redes sociais, venceu a Covid-19 duas vezes e nesta quarta (19), recebeu a primeira dose da vacina contra a doença em Bauru (SP).

Chico, que tem 5 anos, recebeu o imunizante na perna por não ter musculatura firme nos braços devido a problemas de desenvolvimento.

A vacina da Pfizer, aprovada pela Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, está sendo usada para imunizar crianças de 5 a 11 anos.

Após meses de espera, a advogada Daniela Guede Gambini, mãe do menino, enfim pôde respirar aliviada. Para ela, é importante que a população se conscientize sobre a vacina, essencial para conter a disseminação do vírus.

“Os dados científicos são os que me importam e não aquilo que recebo, aleatoriamente, por mensagens. Sem contar que tenho muitos profissionais de saúde na família e todos são pró-vacina, assim como todos os médicos do Chico. Busquem a informação correta e deixem de acreditar em inverdades e mitos”, afirmou.

A imunização representa uma dose de esperança e um “olhar positivo” para o futuro, disse Daniela.

“Chico passou duas vezes pela doença e eu afirmo: não é legal, é triste, é desesperador na verdade! Os piores dias da minha vida foram com Chico internado por Covid Sabe quando o coração não sossega? Sabe quando você não dorme de preocupação, quando você vê a dor do seu filho e não tem como trocar de lugar? A vacina, enfim, representa um olhar positivo para o futuro”, comemorou a mãe, enfatizando que este foi o “evento mais esperado do ano” por ela.

Diagnóstico e internação

Chico precisou ser internado duas vezes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) devido ao agravamento da doença.

Só de pensar em uma terceira internação do filho deixava Daniela extremamente ansiosa. Por meses, ela alimentou a expectativa de que o filho enfim pudesse ser vacinado.

“Não vejo a hora aplicarem a vacina contra Covid-19 em Chico! Nossa expectativa é super alta e positiva. Ficamos felizes com a liberação e queremos vacinar nosso Chiquinho, sim! Principalmente, por ter tido a doença duas vezes já, e por suas comorbidades!”, disse a advogada em um post compartilhado nas redes sociais.

Antes de imunizá-lo, Daniela foi acompanhada e aconselhada por um médico.

Leia tambémDiretor de “Não olhe pra cima” fica impressionado com a reação de brasileiro que encontrou meteoro

O profissional frisou que apesar de ter contraído o novo coronavírus duas vezes, o menino não estava imune à doença. Assim, a vacina seria essencial para fortalecer o sistema de defesa dele.

“No caso do Francisco, o fato dele ter pegado Covid duas vezes não quer dizer que ele esteja imune. A vacina para ele pode amplificar essa resposta imune melhorando o prognóstico dele. Então, no Francisco, eu indico sim a vacina, assim como para todas as crianças. A vacina vem como uma amplificação do sistema de defesa dele para proteger ele ainda mais”, explicou o médico pediátrico Marcos Suzuki.

Marcos também enfatizou a necessidade de ampliar a campanha de vacinação para as crianças.

“Uma coisa que a gente viu na vacinação nos adultos foi a diminuição no número de caso, o número praticamente lá embaixo de mortalidade por Covid. Isso mostra para a gente que a vacinação realmente é muito efetiva. Dessa forma sim, a gente indica vacinação para as crianças. No meu ponto de vista as crianças devem ser vacinadas uma vez que a criança circulando com o vírus ela pode ajudar a elevar o número de mutações. O vírus circulando no meio das pessoas facilita a chance de ter mutações. Então, com as crianças sendo vacinadas essa chance de mutação, de transmissão e de circulação do vírus se torna reduzida”, completou.

“Super Chico”

Francisco ganhou o apelido carinhoso pouco depois de ter sua história contada pela mãe através das redes sociais. Para ela, era importante divulgar as inúmeras batalhas vencidas pelo menino e inspirar outras famílias com crianças com síndrome de Down.

Desde bebê, Super Chico, que nasceu prematuramente, foi submetido a diversas cirurgias. Ao todo, foram 7 – uma delas no útero da mãe, – por causa de problemas renais, cardíacos e hipotireoidismo.

Seu apelido, de acordo com a mãe, é inspirado nos super-heróis e em São Francisco de Assis.

Ao vencer tantas adversidades, Chico virou um símbolo de perseverança e luta pela vida. Quando completou um aninho de vida, ele recebeu uma festa de aniversário com mais de 1000 pessoas em frente à rua da casa da família.

Na época, toda a renda das barraquinhas foi convertida para duas entidades sociais e filantrópicas. No ano seguinte, seus pais fizeram o mesmo.

Em 2020, em meio à pandemia, o niver de 4 anos do Super Chico teve uma comemoração especial. O pequeno recebeu homenagens de artistas consagrados, como o seu xará na MPB, Chico Buarque.

O aniversário foi realizado em formato “drive-thru solidário”, com venda de kits com renda revertida para fundações sociais da cidade de Bauru.

Leia tambémFotógrafo entra em cruzeiro abandonado no mar e captura imagens incríveis; veja fotos

Fonte: G1

RECOMENDAMOS