O amor também é um ato de coragem”, disse Jhonatan Wiliantan da Silva, 28 anos, sobre a adoção de 5 irmãos que foram deixados pela mãe biológica em um abrigo.

O rapaz é casado com o enfermeiro Daniel Rocha Braz, também de 28 anos. No início do relacionamento, eles não manifestavam vontade de ter filhos, mas tudo mudou quando conheceram João Miguel, de 1 ano e 6 meses, Iara, de 3 anos, Harry, de 4 anos, Wendel, de 6 anos e Douglas, de 11 anos.

Com a adoção conjunta das crianças – para que não se separassem, – hoje, o casal têm uma família numerosa, orgulhosa e repleta de amor!

Leia também: Casal que descobriu câncer ao mesmo tempo se recupera após quimioterapia no mesmo hospital em Belém (PA)

De acordo com informações da revista Pais & Filhos as crianças foram deixadas em um abrigo porque a mãe não podia sustentá-las.

Nesse local Jhonatan e Daniel conheceram João Miguel, 1 ano, Iara, 3 anos, Harry, 4 anos, Wendel, 6 anos, e Douglas, 11 anos, com quem se conectaram imediatamente.

O casal tinha há muito tempo o sonho de ter filhos, inclusive via barriga de aluguel. No entanto, quando viram essas crianças pela primeira vez, se apaixonaram por elas e decidiram que tinham que fazer algo para evitar que esses irmãos fossem separados.

“Vi que havia muitas crianças que poderiam precisar de nós. Sempre gostei de cuidar. O amor também é um ato de bravura”, explicou Jhonatan.

No início, o casal visitava as crianças e comprava presentes. Eles os levavam para tomar sorvete e passear. Com o passar dos meses, a relação se tornou cada vez mais próxima. Após a passagem das quarentenas e da pandemia, o casal iniciou o processo de adoção para tirá-los do abrigo. “ Naquele lugar, falta o amor, o calor e o carinho que temos em nossa casa ”, acrescentou o jovem.

Apesar das dúvidas que tinham no início por serem um casal homossexual, Jhonatan e Daniel continuaram o processo. ” Eu os amava tanto que não tinha medo de nada “, explicou.

Finalmente, o governo concedeu-lhes a custódia dos 5 irmãos, que agora podiam crescer e funcionar juntos. Ambos ficaram conhecidos por seu gesto, algo que tem motivado as pessoas a ajudá-los com doações para manter sua casa. Na verdade, eles puderam passar o Natal juntos como uma família.

“ Foi difícil? Sim. Eu pensei em desistir? Nunca. Eu não nasci pai. Aprendi a ser um. Sinto que sempre foram meus filhos ”, encerrou o jovem.

Leia também: Casas de madeira: o que nos esquecemos de ter em atenção?

Fonte: Pais & Filhos

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS