Ser albino em alguns países do continente africano pode ser bastante perigoso. E é que o preconceito e os estereótipos que existem contra quem tem albinismo pode terminar em tragédias cruéis.

Segundo informações do portal Mundo Geo, a prevalência do albinismo na África é de 1 em 5.000 a 1 em 15.000 habitantes, uma população marginalizada e rejeitada em sua maioria vivendo na pobreza.

Você deve se lembrar de que essa condição causa pouca ou nenhuma produção de pigmento de melanina, o que leva a alterações na cor da pele, cabelo e olhos. Além disso, há riscos de que as pessoas tenham problemas de visão e dermatológicos.

Essa aparência distinta sempre chamou a atenção em algumas comunidades africanas, que acreditam que os albinos têm poderes sobrenaturais e que suas partes do corpo trazem riqueza.

Isso levou a albinos a serem sequestrados, caçados e mortos em alguns países, representando um risco para as famílias com uma criança nascida com albinismo oculocutâneo (OCA).

Leia também: Menino de 5 anos descobre 15 asteroides em projeto liderado pela NASA: ‘Prodígio’, diz mãe

Uma história enquadrada neste contexto recentemente se tornou viral nas redes sociais. Trata-se de um usuário nigeriano do TikTok, chamado @agbantara, que disse em um vídeo que se casaria com sua namorada, que é albina.

Como o jovem explicou, a mulher havia sido rejeitada por sua família e amigos por causa de seu albinismo.

Apesar disso, ele se apaixonou por ela e decidiu pedi-la em casamento.

“Fomos amigos por um ano, durante nossa amizade nos apaixonamos um pelo outro”, disse o jovem. No entanto, ele acrescentou que sua família e amigos imediatamente desaprovaram o relacionamento e não concordaram que eles se casassem.

“Eu não me importo, porque eu sou viciado nisso. Já são dois anos de relacionamento. Eu propus a ela hoje e ela disse que sim”, disse o jovem.

Ainda não se sabe qual será a data do casamento, mas o vídeo se tornou viral, pois muitos usuários parabenizaram sua decisão, apesar da discriminação e rejeição que continua a existir em relação à população albina na África.

Assista ao vídeo:

Leia também: Marca de lingerie escolhe “mulheres reais”, com estrias, para estrelar sua nova coleção

Fonte: Mundo Geo

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS