Para aqueles de nós que não foram abençoados com um jardim em casa, a ideia de manter um mini-ecossistema inteiro vivo por mais de 60 anos é estonteante.

David Latimer, de Surrey, Inglaterra, mantém em sua casa uma garrafa de vidro com um jardim autossustentável, cheio de plantas, que não é regado ou aberto desde 1960!

No domingo de Páscoa daquele ano, David, agora um engenheiro elétrico aposentado de 80 anos, começou o jardim de garrafas por mera curiosidade – e com apenas uma semente.

Na época, havia uma abundância de garrafas de vidro no mercado porque a indústria química havia mudado recentemente para as garrafas de plástico. David pegou um garrafão de 40 galões que antes continha ácido sulfúrico, despejou um pouco de composto e usou um pedaço de arame para colocar uma única muda de spiderwort no solo.

Leia também: Bebê recém-nascido é encontrado abandonado dentro de lata de lixo de avião

“Jardins de garrafas eram uma mania e eu queria ver o que acontecia ao fazer um só meu”, disse ele ao portal Daily Mail UK.

Então David fechou a abertura e colocou o recipiente perto de uma janela ensolarada, permitindo que a luz filtrada entrasse pelo vidro. O jardim de garrafas rapidamente formou seu próprio ecossistema, usando a luz para produzir fotossíntese e reciclar nutrientes.

Embora o grande jardim pareça impressionante, David disse: “É a definição de baixa manutenção”. Na verdade, ele nem o rega desde 1972!

“Fica a 2 metros de uma janela, então recebe um pouco de luz solar”, explicou ele. “Ele cresce em direção à luz, então é girado de vez em quando para que cresça uniformemente”.

Dentro da garrafa, a planta converte a luz solar em energia, alimentando-se assim. Essa fotossíntese também cria oxigênio e adiciona umidade ao ar, que então “chove” na planta. Como acontece com qualquer folha podre, elas caem sozinhas, criando dióxido de carbono para os nutrientes, que são então absorvidos pelo sistema radicular.

Depois de irrigá-lo em 1972, David não abria a garrafa ou a movia de seu lugar embaixo da escada há décadas. A única razão pela qual sabemos sobre isso é que ele ligou para um programa da rádio BBC em 2013 para perguntar aos especialistas se era “de interesse científico ou hortícola”. No final das contas, era – e é!

David planeja deixar o jardim para seus filhos depois que ele morrer. Se eles não quiserem, o impressionante mini-ecossistema irá para a Royal Horticultural Society. No que diz respeito aos experimentos, diríamos que este é um sucesso fascinante!

Leia também: Estudante de Design cria robô autônomo que percorre desertos plantando sementes

Fonte: Daily Mail UK

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS